Como e quando pequenas empresas devem investir em tecnologia

Garantir as operações do dia a dia já é um grande desafio para pequenas empresas. Mas, existe um outro, ainda maior, diretamente ligado aos seus crescimentos: encontrar recursos, em um caixa já limitado, para investir em tecnologia.

Dentre as vantagens nesta prática estão a melhoria dos processos dentro da empresa, a redução dos custos, o aumento da eficiência e o fortalecimento da relação com o cliente. Todavia, seus resultados são percebidos a médio e longo prazo – e as pequenas empresas, na sua maioria, têm que priorizar medidas de curto prazo.

Então, como e quando encontrar fôlego para investir em tecnologia em um cenário onde as contas fecham com dificuldade? A princípio, a resposta é simples: não se colocar em uma situação vulnerável, ou seja, trabalhar para ter um fluxo de caixa a curto prazo confortável, para encontrar fôlego e alcançar êxito na empreitada.

Nesse sentido, há caminhos que valem ser analisados:

1. Financiar investimentos em tecnologia: existem várias linhas de crédito que custam menos que linhas de financiamento para capital de giro. Pesquise em bancos e empresas de fomento;

2. Testar períodos gratuitos de determinadas ferramentas tecnológicas: examine várias possibilidades e observe qual atende melhor o que você precisa. Só então pense em investir; e

3. Priorizar e não gastar mais do que o necessário. Limite outros custos para liberar os recursos necessários.

Assim, é possível equilibrar suas operações cotidianas e garantir investimentos em resultados que melhorarão o futuro da sua empresa.

por | 2018-10-08T10:52:57+00:00 10 de outubro de 2018|Negócios|Comentários desativados em Como e quando pequenas empresas devem investir em tecnologia